quarta-feira, abril 04, 2007

UMA NOITE PULP FICTION... OU QUASE...

Pois é.

Eu, pessoa alérgica que sou, tive umas crises de rinite muito próximas e que andaram atrapalhando minha vida, tipo não ir trabalhar (YUHUUU!) e passar o domingo em casa sem conseguir abrir o olho (ui!).

Então ontem criei vergonha na cara e fui ao alergista (que na verdade se chama imunologista).

Depois de uma pequena bronca porque sumi desde 2002 (misteriosamente o mesmo ano que Keith Richards cheirou o pai ¬¬) e de um update sobre o que aconteceu comigo nestes últimos 5 anos, porque para saber a razão da minha crise de rinite (que fique bem claro), ele precisa saber como vou indo, a família, amigos, trabalho, uma coisa quase psicanalítica, sabe? ele disse que ia fazer um pequeno teste no meu braço injentando apenas na pele, poeira e mofo. Apenas para saber se minha sensibilidade a essas substâncias aumentou.

Como eu não sou o Iggy Pop, nem o Keith Richards e nem a Dercy Gonçalves, no mesmo instante que ele injetou poeira no meu braço, fez um calombinho e começou a coçar... muito!
Minha garganta coçou um pouco também, mas não me deixei abalar e continuamos nosso papo agradável "Como vai você".

Dali fui encontrar com a Duda e a Beta.
Fui pra casa um bom tempo depois.
Vi TV.
Falei com a Mônica no telefone.
Até que percebi que minha garganta tava esquisita, meu pescoço coçava deseperadamente e meu rosto tava quente.

Como do meu braço parecia que ia sair um alien e minha mãe não me deixava olhar no espelho, percebi que "hmmmmm sim, eu deveria ir até o hospital mais próximo".
Por sorte é no fim da minha rua (literalmente).

Posso não ser o Iggy Pop, mas quase fui Mia Wallace...

Nunca fui atendida tão rápido na minha vida em uma emergência de hospital.
O cara da recepção olhou pra mim e me já levou pra dentro da emergência, passando todo mundo que tava horas alie esperando.
Pela cara que as pessoas me olhavam notei que eu não deveria estar muito bonita, e o fato de uma junta médica me abordar apenas pra me colocar na maca também não ajudou muito.

Inexplicavelmente consegui manter uma calma zen budista e o primeiro médico me perguntou:

- Você é alérgica a Polaramine?
- Não sei...

Ele olhou pra outro médico que segurava uma outra seringa e falou pra ele se preparar.

Hein?
Pra que?
O que tava acontecendo?

Ele aplicou o Polaramine em mim e segurou meu pulso.
Foi impressionante o efeito!
Em segundos o calombo do braço sumiu, minha garganta melhorou e percebi que o calor no rosto passou.

Uns minutinhos depois, já recuperada e com minha mãe menos branca ao meu lado, tive coragem de perguntar ao médico o que aconteceria se eu fosse alérgica ao Polaramine.

- Ele teria que aplicar adrenalina em você!

Aaaaaah ta! claro...

Após um aviso de que eu me sentiria um "pouco" sonolenta e vários agradecimentos da minha mãe a todos os médicos de plantão, fui pra casa pensando na cena do Pulp Fiction com a injeção de adrenalina.

By the way: Um "pouco" sonolenta significou chegar em casa e despencar na cama sem conseguir nem trocar de roupa... Quase o mesmo efeito de uma garrafa de vinho.
(o que eu falei sobre o Iggy Pop mesmo?)

5 Comments:

Anonymous Lilhá said...

Eu tbm já passei por isso, mas foi depois de uma aspirina. E tomei uma injeção subCUtânea :O

9:00 AM  
Anonymous Beta said...

Nossa! Eu ja tomei!! A ADRENALINA!! Depois de 2 injeçoes de polaramine completamente sem efeito, o medico me deu a tal injeçao ENQUANTO FAZIA O MEU ELETROCARDIOGRAMA (!!!) pois a adrenalina pode CAUSAR INFARTO!!! Aff... Tudo isso por causa de um antibiotico que, no primeiro comprimido, me deixou com os pes em estado de elefantiase e a cara talmente deformada que eu nao me reconheci no espelho!! A alergia pode passar até sozinha depois de um tempo, mas os medicos ficam com medo da garganta inchar a tal ponto da gente perder a respiraçao e ter que fazer uma traqueostomia (nada agradavel!) Muito PulpFiction, mas pelo menos nao foi no coraçao, nao! Foi na veia mesmo... :P

10:27 AM  
Anonymous Claudia said...

Amiga, como que vc fala comigo naquela tranquilidade horas atrás, sem me contar esta saga?
Quase caí dura ... Lembrei do dia que tava tendo choque anafilático em Ilha Bela (eu e Beta inaugurando o "momento conte a sua merda!" hehe) ...
Fica bem tá? Amanhã te ligo! Bjs!

11:04 PM  
Blogger Pumpkin said...

É por causa desse "um pouco sonolenta" que há anos resolvi nunca mais tomar um anti-alérgico e aprendi a viver com as minhas alergias hehe

11:30 PM  
Blogger Raphaela Ximenes said...

Pessoas alérgicas não podem viver sem anti-alérgico, prefiro ficar sonolenta a morrer de choque anafilático. Então suas alergias são bem poucas e fracas.

9:19 AM  

Postar um comentário

<< Home